24.90€ 17.00 
Valor mínimo para apoiar este livro
3
Apoiantes
119
Apoiantes Necessários
Titulo Portugal Contemporâneo
Autor J. P. de Oliveira Martins
Colecção
Documentos
Género
Não-ficção
Proposto por
Leitor que preferiu o anonimato
Editor
Pedro Bernardo
Formato
15,5x23,5 cm
N.º Páginas Estimado
704
Data Estimada
Fevereiro de 2016
ISBN
978-989-99720-5-6
Um retrato da guerra civil que dilacerou o país na sequência da morte de D. João VI, conflito esse que passou à História com o nome mais conhecido de Guerras Liberais.
Em Portugal Contemporâneo, J.P. Oliveira Martins traça um retrato da guerra civil que dilacerou o país na sequência da morte de D. João VI, conflito esse que passou à História com o nome mais conhecido de Guerras Liberais, que opuseram absolutistas (os partidários de D. Miguel) a liberais (os partidários de seu irmão, D. Pedro, antigo imperador do Brasil e que em 1826 se aclamou rei de Portugal, como D. Pedro IV).
O conflitou lavrou durante 6 anos, mas teve sequelas que resultaram em mais algumas décadas de lutas intermitentes, de golpes e contragolpes, com consequências terríveis para o país, devastado (na sua agricultura e na economia), dividido e endividado (por mor de sucessivos empréstimos pedidos para financiar o reino).
Numa linguagem apaixonada, que hoje seria impossível num texto que se pretende de cariz histórico, Oliveira Martins leva-nos por todos os episódios, culminando no período da Regeneração (1851-1868).
 
Oliveira Martins (1845-1894) é reconhecido como um dos fundadores da moderna historiografia portuguesa e uma das vozes de maior relevância do pensamento político e social do século XIX.
Joaquim Pedro de Oliveira Martins (Lisboa, 30.04.1845-Lisboa, 24.08.1894) é hoje reconhecido como um dos fundadores da moderna historiografia portuguesa e uma das vozes de maior relevância do pensamento político e social do século XIX. Foi historiador, político e cientista social, cujas obras marcaram sucessivas gerações de leitores e investigadores, influenciando escritores do século XX, como António Sérgio ou Eduardo Lourenço.
Abandonou os estudos por dificuldades económicas da família, tendo trabalhado no comércio e mais tarde como director de vários projectos empresariais e industriais.
Foi deputado em 1883, eleito por Viana do Castelo, e em 1889 pelo círculo do Porto. Em 1892 foi convidado para a pasta da Fazenda, no ministério que se organizou sob a presidência de Dias Ferreira, e em 1893 foi nomeado vice-presidente da Junta do Crédito Público. 

Elemento animador da Geração de 70, revelou uma notável adaptação às múltiplas correntes de ideias do seu século, tendo colaborado nas principais publicações literárias e científicas de Portugal.
A sua vasta obra começou com o romance Febo Moniz, publicado em 1867, e estende-se até 1894, ano em que morreu. Na área das ciências sociais escreveu, por exemplo, Elementos de Antropologia, de 1880, Regime das Riquezas, de 1883, e Tábua de Cronologia, de 1884. Das obras históricas há a destacar História da Civilização Ibérica e História de Portugal, em 1879, O Brasil e as Colónias Portuguesas, de 1880, Os Filhos de D. João I, de 1891, e Portugal Contemporâneo, de 1881. É também necessário destacar a sua História da República Romana. A sua obra suscitou sempre controvérsia e influenciou a vida política portuguesa, mas também historiadores, críticos e literatos do seu tempo e do século XX.
 
 
Sem informação.
Sem informação
Venha construir esta editora connosco